A liberdade é NOSSA!

Temos que amargar ainda a persistência desses indivíduos. São uma peste que molesta o nosso povo a séculos.

Não se limitam em viver em suas comunidades dirigindo suas próprias vidas, eles têm ódio por essência e por isso tem que ficar intervindo em nossas comunidades. Não suportam e nem aceitam que possamos ter nossos direitos a liberdade de sermos iguais e felizes. Incomodam-se com nosso orgulho. Irritam-se com as nossas verdades filosóficas. Atacam nossa cultura e memória. Edificam suas riquezas sobre nossa exploração. Não querem que lutemos por isso eles matam nossos líderes.

Então irmãos o que podemos fazer?

Nosso compromisso deve ser conosco mesmo. Nossa atenção deve estar direcionada de forma a elevar as condições de bem estar de nossa coletividade. Em tempos em que a peste avança de forma selvagem, nossa posição deve ser de união para enfrentarmos nossos inimigos. Quando a maioria se der conta de que nossa liberdade não pode ser negada, apagada ou rasurada será possível marcharmos para nossa grande luta de emancipação com passos firmes.















Kassan 30/11/2011






Dia de Luta!

A consciência deve ser constantemente aprimorada. A plenitude de uma consciência cultural, social, política e por completa revolucionária.

General Zumbi!

Nessa presente data nós e instruído pelas lições da história o realização do reconhecimento. Não podemos nos abster de digna data. E jamais extrair de nossos corações o valoroso significado desse homem-líder-guerreiro. Dediquemos honra ao nosso Comandante-máximo.

Foi o general de nosso exército de libertação. A bandeira Palmarina tremula hasteada. Como lampião a iluminar o caminho dos novos soldados que se engajam na luta pela liberdade. Não podemos esquecer-nos deste homem e tão miseravelmente limitar a somente um dia do ano homenagens a seu feito.

Ancestralidade combateu no Quilombo de Palmares! E assim combateremos, pois herdamos não somente o sangue mais a alma lutadora. Promessas de ''integração'' sopram como palavras vazias que nunca iram se concluir em emancipação. Quilombismo e o princípio ideológico que deve nos nortear.







Segue a consciência para a luta!

Enganam-se aqueles que acreditam que o tráfico de escravos apenas transportou corpos para da África para a América. Junto a esses corpos vieram o espírito de luta. A bravura excedente. A inquieta vontade de ser livre. O mesmo ferro quente que marcou, castigou será forjado para construir as armas que destruição a classe de inimigos.

Já não e mais questão de direito e sim de dever a comunidade negra se insurgir contra a estrutura de poder racista. A semicolônia Brasil detém dentro de suas fronteiras o maior contingente afro-diásporico. Milhões de pessoas mantida em regime de pobreza é discriminação mais que possuem uma vasta potencialidade de lutar, transformar e revolucionar. Quando estiver ciente de seus objetivos, organizado por uma plataforma e sobre tudo armado com a teoria e práxis não haverá como a reação racista deter o avanço do Povo Negro.

"Isso já é história morta'' cantam, gritam, uivam em uníssono os racistas reacionários quando se referem a Quilombo dos Palmares. Idiotas são todos que desejam sepultar a história negra. Atemorizam em suas mentes, pois sabem a alienação for rompida, haverá uma força de libertação negra marchando pelas ruas conquistando o território e dando vida a Nação Quilombola.

O futuro é glorioso, embora o caminho seja sinuoso!

Por que o Povo Negro é oprimido?

Em que se consiste essa opressão?

E como podemos nós libertar dessa opressão?

Questionamentos mais do que necessários a serem sanados.

- Nós negros constituímos na raça mais massacrada da história da humanidade. O homem branco guiado pelas crenças que lhe atesta supremacia não sentem nem um terço de remorso sobre o sofrimento da raça negra do que sente em relação ao esmagamento de qualquer outra raça da terra. Não que seja o caso de medições de dores e mortes, mas o holocausto africano supera em números e brutalidade a morte o genocídio judaico. Se o Povo Judeu tem as chagas de Auschwitz-Birkenau a África lamúria centenas de genocídios perpetrados pelas mãos européias.

- Nós negros temos que lutar tanto para termos garantidos os diretos mais básicos. Nada foi concedido por graça ou benevolência. Tudo sempre foi arrancado sobre a força da luta. Muitos se sacrificaram por não aceitarem não serem tratados de forma digna. Mesmo com a civilização apresentando recordes e mais recordes no aumento do nível de produção, tendo conseguido contínuo padrão de desenvolvimento científico-tecnológico, por que ainda as pessoas são tratadas em diferenciação? Pois há o entrave que jamais permitirá que todos possam estar lado á lado compartilhando como iguais tudo que é preciso a uma boa vida. Esse entrave é o RACISMO! Essa trava serve como coluna central de sustento dessa estrutura. Os brancos do passado assim como do presente não acenam com sinceras aceitações de igualdade. Querem arrastar esse mundo que os beneficia sobre todas as formas.

- Pela REVOLUÇÃO. Mas isso não e algo simples da qual possa ser feito somente com o uso de palavras bem intencionadas. Não existe revolução pacífica. Entre se almejar esse objetivo e reunir condições efetivas, para torná-la realidade a um percurso muito árduo. Sem espaço para encenações. Acima de tudo e preciso estabelecer a unidade. Sem que aja unidade não tem como transpor limites, quebrar obstáculos. O que se alega ser como paz atualmente nada mais é do que uma harmonização que atende aos interesses dos controladores do poder. E preciso formar quadros militantes aptos a agirem em todo tipo de condições. Que estejam capazes de lutarem por qualquer meio necessário. Sendo isso o concentrado de nossa filosofia libertação por ''qualquer meio necessário''.

Camaradas-Irmãos(a) nesse 20 de Novembro de 2011 a missão já esta definida. Vamos juntar nossas mãos, corações e mentes é espíritos para lutarmos para darmos continuação a Revolução Palmarina e finalizá-la de maneira triunfante.




Kassan 20/11/2011




Por uma Escola para o Povo

A escola tradicional reafirma repetidamente o seu papel de aparelho ideológico do Estado. Reproduz e exercita as pessoas permanentemente numa concepção de classe.

As classes dominantes apresentam sua justiça e seu monopólio de comunicação como isentos de crítica, julgamento ou qualificação criminal; o seu Estado como único sistema político possível. Em decorrência disso, dentro das suas escolas, fazem o mesmo em relação às disciplinas, aos currículos, etc.

Resulta que se a forma de produção gera a alienação do trabalho, também a forma da educação produz uma outra alienação. As disciplinas são um estorvo na vida dos estudantes; uma completa falta de sentido, de aplicação prática que responda e corresponda às suas necessidades mais imediatas e razão de ser.



Kassan 19/10/2011




Por uma Escola para o Povo

A escola tradicional reafirma repetidamente o seu papel de aparelho ideológico do Estado. Reproduz e exercita as pessoas permanentemente numa concepção de classe.

As classes dominantes apresentam sua justiça e seu monopólio de comunicação como isentos de crítica, julgamento ou qualificação criminal; o seu Estado como único sistema político possível. Em decorrência disso, dentro das suas escolas, fazem o mesmo em relação às disciplinas, aos currículos, etc.

Resulta que se a forma de produção gera a alienação do trabalho, também a forma da educação produz uma outra alienação. As disciplinas são um estorvo na vida dos estudantes; uma completa falta de sentido, de aplicação prática que responda e corresponda às suas necessidades mais imediatas e razão de ser.

Kassan 19/10/2011



Afrobras

Quando eu vejo a Afrobras sempre me vem a mente um trecho de um poema escrito pelo saudoso Solano Trindade... No qual o genial poeta diz: ''Negros senhores na América a serviço do capital não são meus irmãos''. Pois é dito e feito.

Afrobras não perde uma única oportunidade para minar os detentores do poder do capital. Rendem homenagens desde de o ''Feitor-reitor da USP João Grandino Rodas até a asquerosa secretária de Estado do EUA Hillary Clinton. A Afrobras segue trilhando um caminho de sabujice. Sendo capaz de considerar inimigos como aliados é tratar os exploradores responsáveis pela miséria e pobreza do Povo Negro como bons parceiros para empreitadas.

A Afrobras ainda consegue fazer um jogo sujo que acaba por enlamaçar o nome de Zumbi, do nosso grandioso Zumbi dos Palmares. De forma oportunista deturpam cada aspecto, característica, do nosso maior líder. Zumbi dos Palmares é luta resistência, liberdade. Por que nosso imortal comandante Palmarino jamais terá seu nome compatível com alienação, subordinação e subserviência.

De nada adianta ou representa esses bailes, festejos de gala reunindo a nata da celebridade negra, em pomposo teatros enquanto ao lado de fora milhões de negros/negras agonizam sobre um cotidiano de vida marcado pela discriminação, pobreza, violência e todas as péssimas consequência produzidas pelo sistema. A Afrobras fica postando como uma versão ''abrasileirada'' da NAACP ingenuamente ou intencionalmente creditando a possibilidade de que algum dia esse apodrecido establishment dê em forma de presente aquilo que por justo e total direito pertence ao Povo Negro a LIBERDADE. Como já dizia Malcolm X esse sistema não pode dar liberdade para o negro assim foi no passado, assim se faz no exato presente. Da escravidão ao capitalismo. Da classe senhorial da casa grande á classe burguesa industrial. Dos capitães do mato á polícia. O sistema jamais concedeu justiça, igualdade e paz ao Povo Afro desde que foi raptado do solo da Mãe - África. O sistema permanecerá explorando e oprimindo enquanto não for destruído, enquanto a diáspora africana não se emancipar do controle físico, espiritual e mental das instituições racistas haverá sempre o pior de geração a geração.

Desafiante se torna essa missão. Derrubar o castelo no qual vivem os oportunistas de nossa raça e fazer a prática uma militância racial com toda a justeza exigida pela realidade histórica e social. Afrobras não nos representa em circunstância alguma.

Kassan 12/11/201




Grande data 11 de Novembro

Angola e um povo irmão. Unidos sobre a bandeira do MPLA o povo marchou decisivamente na luta contra o decadente colonialismo portugueses. Com exemplar dedicação os angolanos deram passos decisivos para o início da construção de uma nação livre. Com o uso da Guerra Popular de Libertação, esses fortes africanos verteram seu sangue em justa causa pela independência. A verdadeira força revolucionária que guiou o povo foi o Movimento Popular de Libertação de Angola sobre o comando de Agostinho Neto. Somente sobre os ardores de duras batalhas sangrentas foi possível a ser hasteada vitoriosamente a bandeira africano-angolana. Não vacilando ou creditando na possibilidade de autonomia parcial oferecida pelo colonialismo lusitano e crendo somente na autodeterminação completa o povo de Angola lançou-se se unindo aos esforços da revolução mundial da libertação dos povos oprimidos.

Angolanos assim como seus irmãos de Moçambique, Guiné-Bissau disseram não a continuação da exploração. A luta angolana pela liberdade foi recebida calorosamente como mais um desprendimento dentro do fenomenal processo revolucionário internacional em curso iminente. Um fraterno aliado fundamental a estender a solidariedade internacionalista a Angola foi Cuba. Os cubanos não apenas se reservaram a apenas prestar apoio por meio de palavras, mas também interfiram ajudando os esforços de guerra. Cuba enviou um efetivo de 36 mil homens de tropas ativas. A mesma Cuba da qual um certo Carlos Moore difama aos quatro ventos dizendo ser um regime hiper-racista anti-negro.

O imperialismo especialmente o norte-americano jamais poderia conceder a possibilidade que uma nação africana se erguesse construindo um caminho próprio e pelas próprias forças. Não tardaram para o imperialismo ianque identificar dentro do próprio território de Angola perfeitos títeres-mercenários para servir ao propósito de inviabilizar a crescimento de uma Angola livre! Esses prestosos lacaios atenderam pelo nome de UNITA (União Nacional para Independência Total de Angola). Comandada pelo carniceiro Jonas Savimbi cuja ética pode ser avaliada na medida em que o mesmo estabeleceu acordos com o regime sul-africano do apartheid. Após os portugueses terem sidos vencidos no campo militar logo se abriu uma nova frente de batalha a qual o povo angolano teve que se desprender para concluir sua libertação, veio a guerra civil que impossibilitou a paz para o desenvolvimento.

Mesmo sobre o calor da intensa luta nacional, havia dentro do próprio MPLA uma camarilha de sabotadores. Camarilha essa disposta entregar Angola ao neocolonialismo. A morte de Agostinho Neto permitiu a ascensão dessa camarilha que uma vez ao poder acaba por desmantelar o regime popular traindo a luta e a todos aqueles que por ela combateram e tombaram. Tendo a frente Edson Santos o MPLA se se degenera tornando se uma organização corrupta desprendendo-se de uma raiz revolucionária. Atualmente Angola esta submetida a um governo que não para de cometer aleivosia por aleivosia que não garante soberania, liberdade e prosperidade, trazendo a piora nas condições de vida do povo que a cada dia é empurrado ao abismo da pobreza. Ainda não se foi concluída a luta de Angola por sua definitiva libertação ainda havendo um logo caminho a se trilhar. Mesmo assim não há como negar que a disposição viva para a luta que esse povo irmão dispõe e que esta comprovada em sua história.

Viva Angola!

Viva África Livre!

Kassan 11/11/11



Guerra Nuclear

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) emitiu um novo relatório sob encomenda do imperialismo estadunidense. O relatório dessa vez esta mais recheado de patranhas vem caracterizado por um alarmadista as atividades do programa nuclear iraniano é suas possíveis intenções militares. Se apoiando em base desse factóide documento o governo norte-americano de das demais potências imperialistas logo já trataram de incrementar suas pedidos de sanções sobre contra o Irã.

Apesar de ser dada em tom apocalíptico uma Guerra Nuclear isso não seria algo tão inimaginável. Foram os imperialistas norte-americanos os primeiros a desenvolver e foram os primeiros e únicos a utilizarem um artefato atômico em guerra. Atualmente são os que mais detêm esse tipo de armamento. Após o final de 2° Guerra usaram de uma política de chantagem nuclear para coagir países com sistemas políticos inimigos. Agressões com uso de armas nucleares certamente já foi desenvolvida pelos tecnocratas do pentágono. Tecnocracia bélica norte-americana não e vacilante nessas questões.

A república islâmica do Irã a cada dia se torna um incomodo maior para o regime sionista, assim como para os interesses geopolíticos dos EUA na região. O Irã e um inimigo com regime estável apesar de haver o crescimento de uma oposição, tem suas forças armadas treinadas e equipadas, além disso possui um substancial desenvolvimento científico-tecnológico algo bem exemplificado por seu esforço em dominar o processo de enriquecimento de urânio. Israel não daria um passo ou lançaria uma bomba no Irã sem estar em conjunto com os EUA. Pela extensão territorial o uso de táticas de guerra convencional seria extremamente desgastante e forçaria um desdobramento de força que Israel não possui mesmo tendo sua maquina de guerra lubrificada e os EUA também não conseguiram descolar essa força assim de imediato. Pela característica do regime o Irã não se comportaria como o Iraque que ficou imóvel diante as prévia mobilização bélica feitas pelos EUA para a invasão em 2003. Sendo assim a dobradinha Wasghinton - Tel Aviv não poderia descartar um ataque nuclear contra o Irã.

A hipocrisia solta os olhos diante dessa situação. Um questionamento de pode ser feito em relação a isso. Com qual legitimidade a AIEA possui para condenar o programa nuclear iraniano, um vez que manteve um silêncio sepulcral sobre o programa nuclear de Israel esse sim desenvolvido desde o início com intenção bélica?

Israel não permite em hipótese alguma nenhum tipo de inspeção sobre suas instalações de enriquecimento de urânio. E com cumplicidade dos Estados Unidos desenvolveram armas nucleares. A Agência Internacional de Energia Atômica é mais um organismo que atua sobre a jurisprudência ditada pelo imperialismo. Não possui independência, autonomia ou imparcialidade alguma. Sendo sua funcionalidade legitimar os objetivos estratégicos das grandes potências especialmente a mais voraz de todas os Estados Unidos.

A Guerra Nuclear ainda não foi realizada não por motivos de temor de suas consequências como radiação contaminando o meio ambiente, ou por razões humanitárias, os carniceiros ainda não avançaram com a Guerra Nuclear por que ainda não obtiveram a plena oportunidade para a ocasião. Mas agora com o Irã cada vez mais avançado em seu programa nuclear os carniceiros norte-americanos e sionistas pode ter a perfeita chance para lançar essa ofensiva de morte em massa.









Kassan 09/11/2011



Marionete do Poder Neocolonial.











Kassan 06/11/2011



Novos Panteras Negras são uma fraude!

Uma carta aberta da Fundação Dr.Huey P. Newton.

Em resposta aos numerosos pedidos de busca de informações individuais sobre os "Novos Panteras Negras", a Fundação Dr.Huey P. Newton emite esta declaração pública para corrigir o registro distorcido que esta sendo feito nos meios de comunicação por um pequeno grupo de afro- americanos que se autodenominam os Novos Panteras Negras. Como guardião da verdadeira história do Partido dos Panteras Negras, a Fundação, que inclui ex-membros dirigentes do Partido, denuncia a exploração desse grupo do nome do Partido e de sua história. Caso não consiga encontrar sua própria legitimidade na comunidade negra, este bando utiliza o enxerto nome do partido sobre si mesmo, algo que nós condenamos.

Em primeiro lugar, esses Novos Panteras Negras nunca foram membros do Partido dos Panteras Negras e não têm nenhum direito legítimo sobre o nome do Partido. Pelo contrário, eles estão há roubar os nomes e fingir que andam nas pegadas dos verdadeiros heróis do partido, como Huey P. Newton, George Jackson e Jonathan Jackson, Carter Bunchy, John Huggins, Fred Hampton, Mark Cark, e tantos outros que deram suas vidas à luta de libertação negra sob a bandeira do Partido.

Em segundo lugar, difamam o nome do Partido, promovendo conceitos absolutamente contrários aos princípios revolucionários em que o partido foi fundado. O ataque da mídia sobre o legado da Ku Klux Klan serve para incitar o ódio ao invés de resolvê-lo. O princípio fundamental do partido, como o melhor articulado pelo grande revolucionário Ernesto "Che" Guevara, foi: "Um verdadeiro revolucionário é guiado por grandes sentimentos de amor." Os Panteras Negras nunca foram um grupo de jovens militantes zangados cheio de fúria em direção ao "establishment branco." O Partido operava no amor para as pessoas negras não, o ódio as pessoas brancas.

Além disso, este grupo afirma que vai "ensinar" a comunidade negra sobre autodefesa armada. A arrogância dessa afirmação está sobrecarregada por sua natureza reacionária. Os negros, especialmente no Sul, foram armados em autodefesa por um tempo muito longo, na verdade, o pai espiritual do partido em si foram os Diáconos da Liberdade de Louisiana baseado para a Defesa. No entanto, o partido entendeu que a arma não era necessariamente revolucionária, para a polícia e todas as outras forças opressivas tinham armas. Foi a ideologia por trás da arma que determinou a sua natureza. Porque o Partido acreditava que somente as massas populares iam fazer a revolução, nunca o Partido presume-se estar acima do povo. O partido se considerava um servo do povo e ensinou pelo exemplo. Dada a fome maciça, o Partido desde distribuiu pequenos-almoços gratuitos para crianças e criou outros programas de alimentação gratuita. Na ausência de condições dignas de instalações médicas na comunidade negra, o Partido operou clínicas médicas gratuitas. Em face da brutalidade da polícia, o partido levantou-se e resistiu. Considerando o número esmagador dos negros enfrentam provações e longas penas de prisão, o Partido desenvolveu livre ajuda legal através de um programa nas prisão.

A questão da Fundação levanta, então, é quem são essas pessoas reivindicando a história do Partido e nome? São provocadores reacionários, que seria contraproducente para instigar atividades os interesses do povo, causando caos e morte? São eles, dada a história de seu líder Khalid Muhammad, um grupo de anti-semitas como a própria Ku Klux Klan que alegadamente se opõem? Qual é a sua agenda?

As condições para os negros nos Estados Unidos hoje são piores do que quando o Partido dos Panteras Negras foi formada em 1966. Negros continuam a viver na pobreza, percentagens desproporcional de negros morrem de AIDS e câncer, como a taxa de mortalidade infantil negra continua a ser o dobro dos brancos. Há uma necessidade desesperada de agenda libertação. O Partido dos Panteras Negras indiscutivelmente o exemplo, os princípios e defendendo uma história que certamente deve ser abraçada por todos aqueles que ainda lutam pela liberdade. Ao invés de se apropriar nome do partido, no entanto, grupos que pretendem representar Afro-americanos deveriam seguir o exemplo do verdadeiro Partido histórico. Na ausência de tal compromisso, a Fundação denuncia a usurpação do nome Partido dos Panteras Negras por esta bando questionável de auto-nomeados líderes.

A Fundação Dr. Huey P. Newton foi fundada em 1993 em Oakland, Califórnia, por David Hilliard e Fredrika Newton. Sua finalidade é honrar o legado do Partido dos Panteras Negras e de seu co-fundador Huey P. Newton, efetuando a mudança social progressista, ensinando lições práticas de serviço comunitário.

Kassan 02/11/2011