O inescrupuloso Idi Amin Dada

Se não fosse a existência de outros nomes a exemplo de: Charles Taylor, Jean-Bédel Bokassa, Jonas Savimbi, Mobutu Sese Seko entre outros... Idi Amin Dada poderia facilmente, estar com o nome no topo da lista de maior facínora africano do século XX. Mesmo assim Idi Amin Dada tem seu nome bem colocado no quesito de ''ditadores'' que disseminaram terror é tirania sobre a África.

Idi Amin Dada e o regime político por ele implementado em Uganda são a perfeita concretização do fascismo em estilo africano. Isso fica ainda mais notável quando o mesmo Amin Dada recorreu ao hitlerismo como fonte para afirmar sua forma de governo. Por astuta conveniência alguns grupos racialistas/revisionistas brancos, ficam usando a imagem de Idi Amin Dada para insuflar a idéia que o sionismo e um inimigo comum a raça branca e negra. Pinóia pura, NUNCA que negros precisaram recorrer às idéias racialistas para identificar a natureza racista do sionismo. Negros devem combater e repudiar todas as correntes de pensamento hostil. Fascismo, Nazismo, racismo, racialismo, sionismo.

Fascista Africano!

Idi Amin Dada reuniu características de atributo fascista. Foi lançado o filme ''O Último Rei da Escócia''que rendeu o Oscar de melhor ator para Forest Whitaker interprete de Idi Amin. Na vida real Idi Amin Dada conseguirá compenetrar uma das mais sanguinárias ditaduras africanas. Em contraste o movimento de libertação que se agigantava no continente africano, Idi Amin Dada foi um irredutível reacionário, não apenas limitou-se a lançar a população de Uganda sobre o efeito de uma brutal opressão, mais como também investiu em agressões beligerantes a países vizinhos, exibindo uma pretensa militarista.

Os povos africanos em consciência é vontade demonstraram um esplêndido espírito de combatividade revolucionária. O sangue africano foi derramado com bravura em batalhas, pela destruição do domínio colonialista. Desse genuíno espírito germinado por severas lutas ergueram-se grandes líderes. Falanges de legítimos filhos nascidos na terra africana pugnaram com os próprias vidas até o último suspiro a defesa da grandiosa revolução libertadora africana. Em rejeito a todo esse movimento Pan-africano se contrapunha figuras lastimáveis serviçais do poder neocolonial tão bem representadas por Idi Amin Dada.

Eis um homem de ação genocida!

Duas mentiras, pelo preço de uma!

Anti-sionista?

Esse estigma que Idi Amin Dada foi um ardoso anti-sionista em si não passa de afirmação enganosa. Durante os primeiros anos de seu governo Uganda manteve estreitas relações com Israel nas aréas comerciais, diplomáticas e militares. Relações essas de tamanha proximidade que faziam de Israel um importante fornecedor de armas para o exército Ugandês. Armamento esse que por sua vez Amin Dada utiliza para pulverizar as forças de oposição, e reprimir a população civil.

As relações entre ambos os países declinou quando em um impulso de ira Idi Amin resolveu expulsar a pequena comunidade judaica do território de Uganda, isso provocou a aversão de Israel. Outro marco que ocorreu entre os dois países foi que em 1976 durante a chamada operação ''Entebbe'' no qual integrantes de forças de elite de Israel adentraram o território de Uganda sem aviso ou permissão e efetuaram a libertação de reféns de um avião seqüestrados por militantes da causa Palestina. Isso desmoralizou Idi Amin Dada que passou a alimentar um discurso anti-sionista por conveniência.

Anti-comunista?

Ao mesmo tempo em que se desmoronou as relações com Israel, Idi Amin Dada necessitava de um novo fornecedor de armamento para seu exército. Sendo assim não pestejenou em procurar uma aliança com a URSS, que passará então a lhe fornecer armas. Idi Amin Dada também criou uma aproximação com a Líbia então governada por Muammar al-Gaddafi. Idi Amin Dada sempre apenas planejou, governou conforme suas necessidades.

Justo fim!

A pressões exercidas pelo terrorismo de Estado acresceram de tal forma que seu o próprio povo, levantou-se em armas e definiu o imediato término do ciclo de carnificinas da qual Idi Amin arquitetou no auge de sua megalomania.

Kassan 30/12/2011




Oposição rejeita reeleição de Kabila.

Os resultados oficiais deram Presidente Kabila 49% dos votos contra 32% para o veterano líder da oposição, Etienne Tshisekedi, de acordo com resultados divulgados pela comissão eleitoral na última sexta-feira. Os resultados ainda serão ratificados pela Suprema Corte.

Em Kinshasa, houve relatos de policiais disparando munição real e multidões saqueando lojas, um dia depois de as autoridades eleitorais declararem o Presidente Kabila reeleito. De acordo com a BBC, quatro pessoas foram mortas na República Democrática do Congo de capital Kinshasa. A organização Centro Carter disse que os resultados da eleição presidencial de 2011 do Congo não possuem total credibilidade. Integrantes da organização afirmaram que em algumas áreas de pró-Kabila ocorreram taxas impossivelmente de números de eleitores cujo os votos foram direcionados para Kabila.

"Essas e outras observações apontam para má gestão do processo de resultados e compromete a integridade da eleição presidencial", ex-presidente dos EUA Jimmy Carter afirmou em um comunicado.

O Centro Carter instou os atores políticos congoleses e instituições a examinar de perto os resultados e identificar soluções. Tshisekedi, o principal candidato da oposição, chamou os resultados "uma provocação" e disse que ele se declarou vencedor das urnas. Kabila está no poder desde 2001, quando ele assumiu a após o assassinado de seu pai Laurent-Désiré Kabila e foi eleito pela primeira vez em 2006.

Nota de opinião

O maior líder popular da história do Congo foi Patrice Lumumba. Nacionalista convicto lutou para emancipação completa da patria congolesa da rapinagem estrangeira. Sendo assim Lumumba despertou a ira dos neocolonialistas que logo tramaram sua remoção do poder e assassinado.

A escória de traidores sobre a chefatura de Joseph Kasa-Vubu e Mobutu Sese Seko investiu através de um golpe de Estado com apoio da CIA. Patrice Lumumba e capturado e executado. Em 1965 Mobutu assumi o poder após aplicar um novo golpe, iniciando em sequência uma das mais violentas ditaduras do continente africano. Mobutu Sese Seko seria forçado a deixar o poder em 1997 após enfrentar uma violenta guerra civil, as forças guerrilheiras sobre comando de Laurent-Désiré Kabila tomam a capital do país declarando o fim de seu regime.

Os anos prolongados de guerra civil arruinaram o país. Atualmente a República Democrática do Congo esta em uma condição econômica em frangalhos, sendo uma das nações com maior concentração de pessoas abaixo da linha da pobreza da África.

Mesmo após romper com o colonialismo Belga, o Congo não conquistou a efetiva liberdade. O Congo possui um solo riquíssimo em recursos minerais sendo alvo da sanha imperialista. Trustes da área de mineração estão avançando rapidamente para o controle das jazidas no território Congolês, tudo isso sendo possível em circunstância da subserviência a qual a classe dominante Congolesa esta engendrada por uma estrutura neocolonialista.

Centro Carter organização de ''observação'' de processos eleitorais fundada pelo ex-presidente norte-americano Jimmy Carter que tem como objetivo respaldar que os resultados das urnas saia conforme interesses do imperialismo. O mesmo Centro Carter que não detectou anormalidades no plebiscito fraudulento ocorrido para divisão do Sudão, atualmente regozija sobre o resultado da eleição no Congo. O motivo pelo qual a repulsa a reeleição de Kabila se deve ao fato do mesmo estar permitindo uma maior penetração do imperialismo chinês em contramão a imperialismo ''tradicional’’ europeu e estadunidense.

De qualquer forma tanto Kabila quando Etienne Tshisekedi não oferece nenhuma mudança para o povo Congolês. Essa pugna a qual se entrelaçam e para refestelar pelo controle da máquina do Estado.

Kassan 12/11/2011




Mestre João Pequeno de Pastinha (1917- 2011).

Em 27 de dezembro 1917 nasceu em Araci no interior da Bahia João Pereira do Santos, filho de Maria Clemença de Jesus, ceramista e descendente de índio e de Maximiliano Pereira dos Santos cuja profissão era vaqueiro na Fazenda Vargem do Canto na Região de Queimadas. Aos quinze anos (em 1933) fugiu da seca a pé, indo até Alagoinhas seguindo depois para Mata de São João onde permaneceu dez anos e trabalhou na plantação de cana de açúcar como chamador de boi, então conheceu Juvêncio na Fazenda são Pedro, que era ferreiro e capoeirista, foi aí que conheceu a capoeira.

Aos 25 anos, mudou-se para Salvador, onde trabalhou como condutor (cobrador) de bondes e na construção civil como servente de pedreiro, pedreiro, chegando a ser mestre de obras. Foi na construção civil que conheceu Cândido que lhe apresentou o mestre Barbosa que era um carregador do largo dois de julho, Barbosa dava os treinos, juntava um grupo de amigos e nos finais de semana ia nas rodas de Cobrinha Verde no Chame-chame.

Inscreveu-se no Centro Esportivo de Capoeira Angola, que era uma congregação de capoeiristas coordenada pelo Mestre Pastinha.

Desde então, João Pereira passou a acompanhar o mestre Pastinha que logo ofereceu-lhe o cargo de treinel, isso foi por media de 1945, algum tempo depois João Pereira tornou-se então João Pequeno, assim apelidado pelo mestre Pastinha.

No final da década de sessenta quando Pastinha não podia mais ensinar passou a capoeira para João pequeno dizendo: “João, você toma conta disto, porque eu vou morrer, mas morro somente o corpo, e em espírito eu vivo, enquanto houver Capoeira o meu nome não desaparecerá”.

Na academia do Mestre Pastinha, João Pequeno ensinou capoeira a todos os outros grandes capoeiristas que dali se originaram e mais tarde tornaram-se grandes Mestres, entre eles João Grande, que tornou-se seu Grande parceiro de jogo, Morais e Curió. Foi aconselhado pelo Mestre Pastinha a trabalhar menos e dedicar-se mais a capoeira. Embora pensasse que não passaria dos 50 anos percebeu que viveria bem mais ao completar tal idade.

Tendo que enfrentar a dureza da cidade grande João Pequeno também foi feirante, e carvoeiro chegou a ser conhecido como João do carvão, residiu no Garcia, e num barraco próximo ao Dique do Tororó.

Sua primeira esposa faleceu, mas, um tempo depois conheceu Srª Edalzuita, popularmente conhecida como Dona Mãezinha, no Pelourinho nos tempos de ouro da academia de seu Pastinha, constituíram família, e com muito esforço construíram uma casa em fazenda Coutos, Lá no subúrbio, bem longe do Centro onde foram morar e receber visitas de capoeiristas de várias partes do mundo.

Para João Pequeno o capoeirista deve ser uma pessoa educada “uma boa arvore para dar bons frutos”. Para quem a capoeira é muito boa não só para o corpo que se mantém flexível e jovem, mas também para desenvolver a mente e até mesmo servir como terapia, além de ser usada de várias formas, trabalhada como a terra, pode-se até tirar o alimento dela.

João Pequeno vê a capoeira como um processo de desenvolvimento do indivíduo, uma luta criada pelo fraco para enfrentar o forte, mas também uma dança, cuja qual ninguém deve machucar o par com quem dança, defende a idéia que o bom capoeirista sabe parar o pé para não machucar o adversário.

Algum tempo após a morte do mestre Pastinha, em 1981, o mestre João Pequeno reabre o Centro Esportivo de Capoeira Angola no Forte Santo Antônio Alem do Carmo(1982), onde constitui a nova base de resistência, onde a capoeira angola despontaria para o mundo, embora encontrando várias dificuldades para manutenção de sua academia, conseguiu formar alguns mestres e um vasto numero de discípulos.

Na década de noventa houve várias tentativas por parte do governo do estado em desocupar o Forte Santo Antônio para fins de reforma e modificação do uso do Forte, paradoxalmente em um período também em que foi amplamente homenageado recebendo o titulo de cidadão da cidade de Salvador, pela câmara municipal de vereadores. Em 2003 o Mestre João Pequeno foi agraciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Uberlândia e com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural tornando-se Comendador de Cultura da República pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em 2007 recebeu pela câmara municipal de vereadores a Medalha Zumbi dos Palmares. Finalmente em 2008 está reverenciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal da Bahia(UFBA). “É uma doce pessoa”, afirmam todos que tem a oportunidade de conhecer o Mestre João Pequeno, cuja simplicidade, a espontaneidade e o carisma seduzem a todos que vão até o Forte Santo Antônio conferir suas rodas, é um brincalhão, mas que também não deixa de dar uma baquetada nos que se exaltam e esquecem dos fundamentos da brincadeira e da dança.

Além de ser de impressionar a todos que tem a oportunidade de vê-lo jogar com a sua excelentíssima capoeira e mandigagem, João Pequeno destaca-se como educador na capoeira, uma autoridade maior na capoeiragem de seu tempo, um referencial de luta e de vida em defesa da nobre arte africana.

Em 1970, Mestre Pastinha assim se manifestou sobre ele e seu companheiro João Grande:

“Eles serão os grandes capoeiras do futuro e para isso trabalhei e lutei com eles e por eles. Serão mestres mesmo, não professores de improviso, como existem por aí e que só servem para destruir nossa tradição que é tão bela. A esses rapazes ensinei tudo o que sei, até mesmo o pulo do gato”. (Mestre Pastinha).

João Pequeno de Pastinha uma dos maiores mestre da arte da capoeira. Uma grande perda para todos nós.










Kassan 10/12/2011



No Trabalho Sanitário Materializemos o Princípio de que a Revolução Liberta o Povo

Novembro de 1971

Samora Machel

Presidente.

Camaradas

Iniciamos hoje um novo curso para formação de enfermeiros. Em 1968 tínhamos sido obrigados a suspender estes cursos. Durante três anos eles estiveram interrompidos. Durante três anos a nossa luta, o nosso Povo, viram-se impedidos de receberem novos quadros de saúde. Durante estes últimos três anos morreram combatentes por falta de assistência sanitária, morreram elementos do Povo, morreram crianças, porque não estávamos em condições de lhes dar um mínimo de assistência médica. Para muitas regiões libertadas, para muitas populações, estes últimos três anos não foram anos de combate contra a doença. O nosso povo viu-se esquecido como na época colonial, durante este três anos.

Há três anos atrás tínhamo-nos engajado na batalha de formação de quadros para a saúde. Perdemos a batalha nesse momento. Não há guerra em que só existem vitórias para nós e derrotas para o inimigo.

Perdemos a batalha, porque a consciência política dos alunos de enfermagem não estava em condições de assumir o sentido e a importância da batalha que se travava e, assim, permitiram que o inimigo se instalasse no seu seio.

Em 1968, a nossa luta armada desenvolvia-se muito. Bombardeávamos e tomávamos de assalto as bases inimigas. Fazíamos soldados portugueses prisioneiros de guerra, capturávamos toneladas de material. Em Tete, reabríamos a frente da luta armada.

A batalha fundamental pela clareza da nossa linha política, pelo desenvolvimento da nossa ideologia, demonstrava os objectivos populares das forças revolucionárias no nosso seio.

Este combate engajava o pessoal da saúde. Este combate era também um combate entre duas linhas no domínio da saúde. Um combate para defender os interesses do Povo no campo da saúde.



1. O Que é o Hospital da FRELIMO e suas Tarefas

À primeira vista pode parecer absurdo falarmos em linha política no campo da saúde, em combate entre duas linhas no domínio da saúde. À primeira vista pode-se pensar que existe na FRELIMO uma vontade de politizar uma coisa, aparentemente tão neutra, como a saúde. No fim de contas, dirão esses que imaginam uma saúde apolítica, a penicilina ou cloroquina têm o mesmo efeito, quer sejam administradas ou não por um revolucionário, quer sejam dadas num hospital da FRELIMO ou num hospital colonialista.

Mas todos os nossos actos, toda a nossa vida, são radicalmente diferentes dos actos e da vida da zona do inimigo.

Na zona do inimigo, na zona colonialista, na zona capitalista, tudo se destina a manter o Povo dominado, manter o Povo explorado, dar lucro aos capitalistas.

Na zona capitalista, na zona colonialista, a estrada serve para fazer passar rapidamente a tropa e polícia que te prendem e levam para o trabalho forçado. A estrada é o caminho rápido para te virem buscar o imposto. A estrada serve para levar o algodão, que tu produziste mas pertence à companhia. Serve para o comerciante te vir vender, a preços fabulosos, os artigos que tu e teus irmãos de classe produziram e de que os colonialistas se apropriaram a preços de miséria.

Na zona do inimigo a escola é para, os filhos dos ricos, mesmo se ela é financiada pelos teus impostos. Se alguma vez, como por milagre, o filho do pobre entra na escola, não é para aprender a servir o seu País. A escola vai-lhe lavar o cérebro, fazer-lhe ter vergonha da sua origem, transformá-lo em instrumento dos ricos para explorar os trabalhadores.

Tudo tem um conteúdo em função da zona em que se encontra, em função da natureza do poder que existe nessa zona. Na zona capitalista e colonialista a escola, a machamba, a estrada, o tribunal, a loja, o técnico, as leis, o estudo, tudo serve para sermos explorados, oprimidos.

Na nossa zona, porque o poder nos pertence, porque são os camponeses, operários, as massas laboriosas quem concebe e dirige, tudo se destina a libertar o homem, a servir o Povo.

Assim se passa com os hospitais, com o serviço de saúde.

Na zona do capitalismo e do colonialismo o hospital é um dos centros de maior exploração. Aí, porque está em jogo a vida dum homem, a vida dos seus entes mais queridos, é onde se manifesta da maneira mais desmascarada e sem vergonha a ganância do mundo capitalista.

Não se entra e não se é tratado no hospital capitalista em função das necessidades. Quando se é pobre, quando não se tem influências poderosas, é difícil arranjar-se uma cama no hospital, e no entanto o cancro devora-te a carne, a tuberculose rói-te os pulmões, a febre queima-te o corpo. O rico, o senhor, o patrão, esse não tem a mínima dificuldade em obter quartos, em obter lugar para si e para quem o acompanha.

Mobilizam-se médicos e professores da faculdade para tratar a constipação do grande capitalista, para curar a prisão de ventre do senhor juiz, mas ao lado morrem crianças, morrem homens, porque não tiveram dinheiro para chamar o médico.

No hospital não se analisam os doentes, analisam-se as riquezas. O medicamento é vendido a peso de ouro. Só se trata quem pode pagar. A operação é para quem a pode custear. A comida, a dieta, as frutas ou o leite, a salada, as carnes e peixes delicados para revigorarem o doente, isso não é para quem precisa, mas para quem pode pagar. Até a ambulância, que vai buscar de urgência quem está a morrer, muitas vezes regressa vazia porque a família do moribundo não pode garantir o pagamento das facturas.

Na zona do inimigo os cães dos ricos têm mais vacinas, mais medicamentos, mais cuidados médicos do que os trabalhadores que constituíram a riqueza do rico.

Não é pois de estranhar que na zona do inimigo ser-se médico significa também ser-se rico, ser-se enfermeiro significa também um alto vencimento de muitos contos. Ser-se médico é gozar-se duma elevada situação social como explorador, ser-se enfermeiro é gozar de muitos privilégios.

No Moçambique dos colonialistas e capitalistas só há hospitais onde há colonos, só há médicos e enfermeiros onde vivem os que podem pagar. Na cidade de Lourenço Marques há mais camas nos hospitais, mais médicos, mais enfermeiros, mais laboratórios do que em todo o resto de Moçambique. Será que isto quer dizer que só em Lourenço Marques é que há doentes?

Nas minas onde trabalhamos, nas plantações das companhias que cultivamos, nas estradas que estamos a abrir, nas fábricas, nas machambas, nas povoações, há milhões e milhões de Moçambicanos que nunca viram um médico, nunca viram um enfermeiro, que estando doentes nunca puderam beneficiar de qualquer assistência sanitária.

O nosso hospital é diferente. O que faz um hospital não são os instrumentos cirúrgicos ou medicamentos que lá se encontram. Os instrumentos os medicamentos, são importantes, mas o que é essencial, o que é o factor decisivo, é o homem. Por isso, hoje, pela primeira vez, em Cabo Delgado, em Niassa, em Tete, o Povo é objecto de assistência, sanitária, as pessoas são vacinadas, nas povoações aprendem-se hábitos de higiene. No entanto são raros os nossos medicamentos, são muito poucos os nossos instrumentos cirúrgicos, e as nossas instalações são tão pobres que do exterior mal se distinguem de modestas palhotas.

O nosso hospital é constituído de sangue, de sacrifícios. Não são paus e maticado, cimento ou tijolos, que constróem as paredes do nosso hospital.

O nosso hospital pertence ao Povo, é um fruto da Revolução. O nosso hospital é muito mais que um centro de distribuição de medicamentos, ou do curativos.

Um hospital da FRELIMO é um centro em que se concretiza a nossa linha política de servir as massas, é um centro em que se materializa o nosso princípio de que a Revolução liberta o Povo.

O nosso hospital destina-se a libertar o Povo da doença, a dar boas condições físicas aos combatentes, militantes e trabalhadores, para que estes cumpram as tarefas revolucionárias em que estão empenhados, por amor do Povo.

Curamos as pessoas pela confiança que inspiramos, pelo moral que lhes Inculcamos. O pessoal da saúde, o doente e o medicamento combinam-se para libertar o homem da doença.

O nosso hospital é um centro da Revolução, ele existe por causa da Revolução e está intimamente associado à Revolução.

Enquanto os hospitais capitalistas e colonialistas estão ligados aos exploradores, aos colonos, porque é a eles que servem, o nosso hospital está ligado às massas porque é a elas que se destina.

Assim o nosso hospital é um centro de unidade nacional, um centro de unidade de classe, um centro de purificação de ideias, um centro de propaganda revolucionária e organizacional, um destacamento de combate.

Pessoal médico, alunos, serventes, doentes, e o resto da sociedade estão intimamente unidos.

No hospital da FRELIMO não há tribos, não há regiões, não há raças, não há crenças religiosas, não há nada que nos divide. O hospital cumpre uma tarefa revolucionária. Pessoal médico, alunos, serventes, estão a cumprir tarefas essenciais que lhes foram confiadas pelo Povo.

O Povo inteiro, do Rovuma ao Maputo, pelos sacrifícios que fez, pelo sangue que verteu, ergueu esse hospital para o servir, para o libertar da doença. Ninguém foi enviado por uma tribo ou região para trabalhar num hospital.

Na medida em que os doentes sentirem unidade no pessoal do hospital desde o médico aos serventes, eles unir-se-ão ao pessoal médico e serventes e juntos concentrarão forças para liquidar a doença. Mas se houver desunião reinará a desconfiança, o doente recusará o medicamento porque temerá que o tratamento a que o submetem sirva para agravar a sua situação.

Estamos todos unidos no cumprimento da nossa tarefa. Não temos pequenas ou grandes tarefas, porque eu sou servente e aquele é enfermeiro ou médico. A nossa tarefa é essencial, embora as nossas responsabilidades sejam diferentes.

O sentirmos qualquer complexo de inferioridade no cumprimento da nossa tarefa, o preocuparmo-nos em procurar grandes e pequenas tarefas, significa falta de consciência de classe.

Somos de origem trabalhadora, seguimos as massas laboriosas, o Povo trabalhador. A nossa tarefa é grandiosa. Qualquer outra atitude só reflecte elitismo, busca de privilégios, perca do sentido de classe, aquisição de ideias burguesas.

Exige-se pois que, assim como nos desinfectamos ao entrar na sala de operações, nos purifiquemos das ideias erradas e complexas que vêm contaminar o nosso hospital. Assim como nos revestimos de máscaras e batas, devemos estar constantemente armados da nossa unidade e consciência de classe, para revolucionariamente servirmos as massas.

Neste contexto, o nosso hospital será realmente um centro de propaganda revolucionária e organizacional, ele será um exemplo concreto da justeza da nossa linha, uma verdadeira zona da FRELIMO.

Assim o hospital cumpre as nossas tarefas, ele combate a doença, ele forma o homem, ele produz.

A produção não pode estar separada da nossa actividade sanitária.

O hospital necessita de comida. Muitas vezes as populações, a FRELIMO, não estão em condições de abastecer o hospital, porque estamos em guerra, porque o inimigo nos ataca, porque a produção é um dos alvos do inimigo.

Exige-se pois que o hospital se esforce em apoiar-se nas suas próprias forças, que seja tanto quanto possível auto-suficiente na alimentação.

Por outro lado não podemos esquecer a Importância duma alimentação adequada para o tratamento correcto das doenças. Os pacientes necessitam de se alimentar convenientemente, para combaterem o mal.

É na fruta, nas saladas, nas verduras, na carne, nos ovos, no peixe, no leite, que se encontram as vitaminas, os sais, os minerais, as proteínas que revigoram o organismo, que reforçam para o combate contra a doença.

O hospital, sendo um centro de produção, também é centro de formação para os doentes.

Não podemos desprezar nenhuma oportunidade para elevar a consciência política e o nível de conhecimentos do nosso Povo. No nosso hospital não existe inactividade, não existe ociosidade. Finalmente, a experiência tem demonstrado que o engajar os doentes e em particular os convalescentes em actividades levanta-lhes o moral e é um poderoso auxiliar da cura.

Com isso queremos propor que os nossos hospitais procurem continuamente alargar as suas actividades, aliar-se ao Comissariado Político e ao Departamento de Educação e Cultura.

Devemos procurar alfabetizar os doentes e convalescentes, ensinar-lhes português, fazer-lhes conhecer, compreender e assumir a riqueza cultural do nosso País inteiro.

Devemos organizar para os doentes pequenos cursos de higiene, a fim de lhes fazer adquirir bons hábitos higiénicos, que impedirão muitas doenças.

Procuremos tornar agentes activos de propaganda higiénica todos aqueles que se vêm tratar nos nossos hospitais. É de considerar também que em muitas regiões do nosso País existem péssimos hábitos alimentares. Ë importante que as populações adquiram novos hábitos alimentares; para isso, nos hospitais devemos organizar pequenos cursos para doentes, em particular para as mães, explicando-lhes o valor nutritivo dos diferentes alimentos e mesmo como prepará-los.

Não podemos nunca abandonar o trabalho político, isso é sempre a nossa tarefa prioritária,

A estadia do doente no hospital deve servir para elevar a sua consciência de unidade nacional, a sua determinação de combater, o seu ódio ao inimigo explorador.

Compreende-se então porque definimos um hospital da FRELIMO como um destacamento operacional nosso, uma linha da frente.

Assim, o nosso enfermeiro, o nosso pessoal médico, além das suas tarefas específicas, são instrutores da nossa vida, professores, comissários políticos. A acção do nosso pessoal médico revolucionário não só cura do corpo, como também liberta e forma o espírito.

O inimigo compreende isso muito bem, tão bem o compreende que define o nosso hospital como um alvo dos seus bombardeamentos, um alvo para as suas tropas criminosas.



2. O Hospital, Linha da Frente

Ao iniciarmos este curso abrimos uma nova frente de luta. Ao iniciarmos este curso criamos condições para abrirmos novos hospitais, novos centros em que se concretiza a linha política da FRELIMO. Novos hospitais são novas linhas da Frente.

Ao abrirmos uma frente, podemos também dizer que a nossa luta cresceu; por isso ampliámos o alvo para o inimigo, damos-lhe mais um alvo para as suas armas.

Em 1968, como dissemos já, fomos obrigados a recuar, fomos forçados a interromper o curso. Perdemos uma batalha.

Hoje desencadeamos de novo a batalha, fortes das experiências que adquirimos através dos sucessos e fracassos.

Ao desencadearmos uma batalha é fundamental, para obtermos sucessos, conhecermos o inimigo, definirmos os nossos métodos e saber quais são as nossas forças.

No combate em que nos encontramos, fazemos face a três inimigos:

o inimigo directo;

o inimigo indirecto;

o inimigo camuflado no nosso seio.

Os colonialistas portugueses são nossos inimigos directos. Atacam-nos abertamente, fisicamente. Eles vêm com os seus aviões bombardear os nossos hospitais, eles assaltam-nos com os seus helicópteros, eles lançam as suas tropas para assassinar os doentes, destruir o material, impedir que os medicamentos cheguem aos seus destinos. O colonialismo é o inimigo mais fácil de identificar porque é aberto, ataca-nos com uma arma.

Mais perigosos, porque são mais facilmente acreditados que os colonialistas, são os inimigos indirectos, os aliados de Portugal. Aqueles que nos combatem camuflados, atrás das tropas portuguesas.

Estes combater-nos-ão com artigos nos jornais, com boatos, com calúnias. Hoje dirão que vendemos medicamentos, amanhã irão contar que nos nossos hospitais gente de tal e tal região é desprezada. Uma vez escreverão que não somos competentes, outra, que o Povo despreza o hospital.

E a campanha continuará, para nos dividir, para nos encher de complexos, para subtilmente nos forçar a rendermo-nos.

Cada erro nosso, cada falta que cometermos, será utilizada por eles como prova irrefutável da veracidade de tudo o que dizem.

Mas sobretudo, para nos vencer, para mais uma vez privar o nosso Povo da assistência sanitária, o inimigo, directo ou indirecto, conta com o trabalho dos seus destacamentos operacionais no nosso seio.

A força decisiva que nos pode derrotar é o inimigo camuflado no nosso seio, aquele que connosco levanta a bandeira da FRELIMO para mais facilmente destruir a FRELIMO.

Esta é a nossa experiência, esta foi a razão fundamental da nossa derrota em 1968, a causa da interrupção dos cursos.

Tendo infiltrado os seus espiões, os colonialistas mobilizaram o tribalismo, o racismo, o egoísmo, a ambição, o elitismo, a ignorância, a superstição, o fanatismo religioso, a corrupção.

Cada uma destas coisas é um destacamento inimigo no nosso seio.

O tribalismo levou os alunos à desunião, a transformarem-se em contra-revolucionários e combaterem contra a Direcção da FRELIMO, contra a FRELIMO e contra o Povo. Cada um tomava-se como representante dos interesses desta ou daquela região, procurando meticulosamente verificar se um outro grupo linguístico tinha no curso mais alunos do que o seu, semeando a desconfiança e desunião entre nós,

O racismo levou à desunião entre alunos e professores. Dizendo-se muito revolucionários, alunos que ainda não tinham dado nenhumas provas de verdadeiro engajamento revolucionário combatiam professores que tinham já dado muitas provas de dedicação ã causa popular, só porque os professores eram brancos.

Combinando o egoísmo e a ambição, os alunos recusavam um programa de estudo concebido em função de necessidades imediatas e urgentes da luta, para exigirem programas que lhes dariam muitos diplomas e privilégios para explorar o Povo no futuro. Queriam constituir-se em elite de parasitas, ganhando fortunas e posições sociais, graças à doença e sofrimento do Povo.

A ignorância, a superstição, o fanatismo religioso, levou os alunos a confiarem em forças sobrenaturais inexistentes, em amuletos e pedras, desprezando a ciência, recusando os ensinamentos dos professores que eram fundados nas leis da natureza, na realidade objectiva.

Dentro deste clima fomentou-se a Indisciplina, a anarquia, a corrupção, o caos.

A batalha estava perdida. O inimigo indirecto, nos seus jornais, publicava artigos e comentários sobre «a revolta dos estudantes revolucionários contra a Direcção da FRELIMO».

Os colonialistas felicitavam-se e intensificavam as campanhas para reforçar o inimigo no nosso seio: as ideias velhas, os hábitos da sociedade antiga.

Durante muito tempo o peso de tradições ultrapassadas e reaccionárias, as ideias colonialistas e capitalistas, esmagaram o nosso Povo. Muitos alunos, quadros, pessoal médico, responsáveis, ainda carregam a carga impura.

Há os que imaginam Moçambique reduzido à escala minúscula de um grupo linguístico ou região. Um órgão, por importante que seja, não vive fora do corpo. Uma perna, um braço, apodrecem se deixam de ser irrigados pelo sangue do organismo, se são separados da unidade com o corpo.

Pela unidade que criamos entre nós, pela maneira revolucionária como o hospital serve o Povo, demonstramos concretamente às massas a necessidade de fazer viver a Nação e de fazer morrer o tribalismo. Assim como liquidamos os germes e bactérias nocivas para proteger os doentes, o hospital deve ser um exemplo vivo de liquidação do micróbio contagioso do tribalismo, para fazer viver a Pátria.

Outros procuram num sobrenatural, nascido da ignorância, a resposta para os problemas concretos. Ainda não sabem ver que a resolução de todos os problemas depende unicamente da combinação da nossa inteligência e energia com as leis objectivas que regem os fenómenos naturais e sociais.

Procuram respostas no céu, quando o segredo se encontra na terra.

É porque o Povo vê operar a ciência, porque o Povo constata os resultados da ciência, porque continuamente explicamos aos doentes e ao Povo as origens e os meios de combaterem a doença, que o hospital pode tornar-se numa base sólida de luta contra o obscurantismo.

E na medida em que acreditamos no Homem, que destruiremos a superstição no seio do Povo. Na medida em que o nosso trabalho demonstrar o valor da ciência, faremos recuar o obscurantismo sobrenatural.

Há quem se considere insubstituível, uma sumidade. Cheio de arrogância recusa aprender dos outros, monopoliza conhecimentos, alegra-se com o insucesso dos camaradas. Agindo assim, esses procuram criar condições para se instalarem como privilegiados, explorando as massas, fazendo reinar as suas pequenas e miseráveis tiranias. Para consolidarem a sua posição aceitam e fomentam boatos e intrigas, egoistamente fechados nos seus interesses mesquinhos.

O individualismo, o egoísmo, a ambição, a arrogância são micróbios transmissores da divisão, são Incubadoras das ideias velhas da sociedade exploradora.

Porque viemos de longe, porque à luta chegam todos os homens, por vezes entre nós encontram-se aqueles que viviam habituados ao banditismo. Estes elementos frequentemente introduzem os seus vícios na nova sociedade.

Uns roubarão medicamentos, lençóis, comida. Outros, abusando da confiança dos doentes, utilizarão os segredos delicados que conhecem para satisfazer os seus gostos de intriga e ambição.

Haverá também os que, utilizando-se da missão, vão procurar corromper a juventude, contaminando com os seus instintos baixos as novas gerações.

Existe, pois, uma frente de combate contra estes comportamentos.

Um enfermeiro que num hospital andasse a destruir os frascos de plasma, seria considerado um criminoso. Um enfermeiro que envenenasse doentes seria considerado um criminoso. A nossa moral revolucionária, os nossos princípios, são o nosso plasma, a sociedade nova que construímos é a nossa vida. A nossa acção é contra aquele que quer destruir o nosso plasma, o nosso sangue, aquele que quer roubar a nossa vida.



3. Os Nossos Métodos de Combate

É o nosso pessoal médico quem constitui a nossa força operacional na linha da frente sanitária. Eles constituem forças de vanguarda da nossa Organização, da nossa Revolução.

O pessoal médico representa no hospital a nossa linha política de servir as massas.

Entre o doente e o enfermeiro ou médico que o trata estabelece-se um laço forte de confiança e de esperança. Aliviar a dor, curar a enfermidade, está associado para o doente à acção do enfermeiro, do médico.

Esta confiança do doente, da sua família, dos seus amigos, constitui um capital político extraordinário, que devemos utilizar para fazer progredir a Revolução.

Na base da confiança que se estabelece devemos orientar os pacientes na via da unidade nacional, no reforço da consciência de classe, na aquisição de conhecimentos higiénicos, científicos e culturais. Em resumo, que ao tratamento do corpo corresponda um tratamento idêntico do espírito, para, fazer triunfar a mentalidade nova.

É necessário uma vocação, um entusiasmo natural por essa actividade. A vocação esta intimamente ligada e é orientada pela consciência e as necessidades da luta.

Enquanto na zona capitalista, rapidamente, a vocação combinada com o desejo de lucro e de privilégios é corrompida e asfixiada, na nossa zona a vocação, porque é combinada com uma alta consciência política, torna-se um estimulante poderoso do nosso trabalho.

Na formação do pessoal médico, porque precisamente consideramos o homem como factor decisivo, a prioridade deve ser dada à formação política, à consciência política.

Em sete anos de luta a experiência provou amplamente que o nosso pessoal médico, apesar do seu baixo nível técnico e falta de medicamentos, foi capaz de fazer muito mais pelo Povo do que os serviços de saúde colonialistas que dispõem de todas as técnicas, de todos os meios. Com dois médicos fizemos mais trabalho do que os serviços de saúde colonialistas, que dispõem de muitas dezenas, senão mesmo centenas de médicos. Este resultado testemunha a importância vital da linha política.

A formação política é sobretudo cultivar continuamente a consciência política nos alunos, no pessoal médico, no pessoal hospitalar. Desenvolver o espírito anti-colonialista e anti-imperialista, conhecer a opressão, enraizar a consciência e o sentido de classe.

O pessoal hospitalar está em contacto permanente com os sofrimentos do homem, causados pela exploração, causados pela ignorância. Esta ligação com o sofrimento humano deve servir para aguçar a consciência política, para aumentar os conhecimentos do pessoal médico, para reforçar a sua determinação em combater o inimigo, em combater a doença, em combater a ignorância.

A consciência política superior deve ser a base da consciência profissional do pessoal médico.

Um enfermeiro não tem horas de trabalho e horas de repouso. Se o seu trabalho normalmente começa a uma hora fixa — é fundamental ser pontual — não tem hora fixa para terminar.

A doença, o sofrimento, a guerra, não se subordinam às decisões burocráticas.

Um hospital funciona 24 horas por dia, sete dias por semana. Onde está o doente, onde está o sofrimento está o pessoal médico, sem se importar da hora. Só assim se serve o Povo.

Não se faz guerra com horas de repouso fixas, não se combate a doença com horas de repouso fixas para o pessoal médico.

Para que os alunos de enfermagem se habituem a este ritmo exigente, é necessário que o seu programa diário comporte um mínimo de dez horas de actividade.

No exercício da sua missão, o pessoal médico é forçado a conviver com todas as fraquezas e misérias humanas. Os doentes não podem, mesmo que queiram, guardar segredo sobre os seus males e origens. A análise científica é reveladora.

E pois fundamental que o pessoal médico tenha a noção do segredo profissional. O seu conhecimento das fraquezas e misérias não pode ser motivo de conversas, ou ainda pior, instrumento de ambição ou vingança.

O doente é sagrado para o hospital. Um enfermeiro, um servente, um médico, não conhecem vingança no exercício da sua missão. Para o pessoal médico não existem raças, cores, crenças ou mesmo nacionalidades. Para eles só existem doentes. Um soldado português ferido ou doente, no nosso hospital, é tratado como qualquer de nós. Fazemos isso porque possuímos uma moral revolucionária, uma moral superior, uma moral radicalmente oposta à baixeza do fascismo e do colonialismo.

Já dissemos que o hospital materializa a nossa linha política, que os enfermeiros devem representar duma maneira viva a nossa ideologia. Por isso as nossas palavras, o nosso comportamento, devem rigorosamente concordar com a nossa linha, É isto o fundamental. Se apesar das nossas deficiências técnicas e de material obtivemos no campo da saúde resultados superiores aos dos colonialistas, isso deve-se unicamente à justeza e superioridade da linha.

Fazermos o combate interno para integrar as nossas palavras e comportamento na nossa linha, é criar condições de sucesso para o nosso trabalho.

Que os nossos hospitais sejam para as massas uma fonte diária de mil exemplos bons da eficácia dos nossos princípios.

A técnica encontra-se em segundo lugar. Ela é importante. Só o conhecimento exacto das leis da natureza, a sua mobilização para os nossos fins, é que permite a destruição da doença.

Não pode haver limite para o estudo. Ninguém sabe tudo, ou mesmo o suficiente. Enquanto houver doenças, enquanto houver gente que morre, temos que estudar, temos que aprender.

Para servirmos melhor devemos estudar muito.

Devemos estudar tudo. Evidentemente que devemos primeiramente estudar as ciências médicas, devemos adquirir os conhecimentos teóricos que sintetizam e racionalizam os ensinamentos da prática. Mas devemos também estudar e aprender da prática, devemos estudar e aprender do Povo.

É necessário um estudo da sociedade. Conhecer os usos e costumes, a cultura e as particularidades de cada região, integrando-os continuamente no contexto nacional.

É necessário estudar os homens, conhecê-los. A doença não existe em abstracto, existe num homem concreto, com a sua psicologia própria, a sua energia específica. Conhecer o homem é o caminho para mobilizar as suas energias contra a doença que o ataca, é também o caminho que nos leva a agir e transformar revolucionariamente o seu espírito.

É conhecendo que compreendemos e só depois de compreender é que podemos agir.

Mas sobretudo importa estudar constantemente a política da nossa Organização, porque só ela nos dá a visão de conjunto e nos define as perspectivas que garantem a orientação segura do nosso trabalho.

O objectivo do nosso estudo não é o de nos fornecer os meios para melhor explorar o Povo e adquirirmos situações privilegiadas, como na zona capitalista.

Não nos preocupamos em obter uma nota alta para um, inculcar muita sabedoria num outro.

Esse um, por muito sábio que seja, será incapaz de fazer funcionar todos os hospitais que necessitamos, de assistir todos os que se encontram doentes.

O nosso estudo é colectivo, o nosso progresso é em vagas, em que todos avançamos juntos. Por isso é necessário entre os alunos, entre o pessoal médico, um espírito de ajuda mútua, sentir o atraso de um como um recuo para a Organização, um atraso no serviço do Povo.

Este espírito colectivo deve dominar toda a nossa vida. Sem a unidade nacional somos vencidos pelos colonialistas. A nossa classe camponesa e operária sem unidade é dominada pelos exploradores. O nosso trabalho sanitário sem unidade resulta em fracasso.

O espírito colectivo obriga-nos a enfrentar cada problema, cada situação, cada deficiência, como nossa. Não estamos indiferentes a nenhum problema. O poder pertence-nos, por isso não podemos ficar de braços cruzados diante duma situação, por pequena que seja, que trave o nosso progresso. Uma pequena ferida desprezível pode abrir a porta ao tétano que destrói o organismo inteiro. No corpo, a ferida no dedo mais pequeno do pé, se não é tratada, pode destruir a vida. Porque o problema não nos afecta pessoalmente não é menos importante, porque esse problema faz parte do organismo em que estamos integrados.

Os nossos hospitais existem porque houve sacrifício. Os nossos hospitais representam um lago de sangue.

Os instrumentos cirúrgicos, os medicamentos, o material, resultam dos sacrifícios do Povo, dos sacrifícios dos nossos amigos.

Em muitos países, porque o sangue corre em Moçambique, criou-se uma corrente poderosa de solidariedade, para nos ajudar. As pessoas voluntariamente aceitam privações para nos apoiar.

Ter um alto sentido de economia, lutar contra o desperdício, é respeitar o nosso sangue, é respeitar os sacrifícios dos nossos amigos, é demonstrar espírito colectivo.

Frequentemente nos nossos hospitais morrem camaradas por falta de medicamentos. Muitas vezes, para tratar um ferido, nem sequer temos água oxigenada.

Poupar medicamentos, poupar material, é salvarmos vidas que esse medicamento, que esse material irão curar.

Este curso inicia-se no Hospital Américo Boavida, é uma coincidência simbólica.

O camarada Boavida, médico angolano, sacrificou-se pelo Povo. Podia ter sido um médico explorador, mas foi um médico que morreu servindo o Povo, combatendo a doença e a exploração.

Que também sirva de exemplo e encorajamento para nós o espírito internacionalista destes camaradas estrangeiros, que por solidariedade revolucionária abandonaram as suas pátrias, abandonaram o conforto construído pelo seu trabalho, para trabalharem connosco.

Eles vieram porque há luta em Moçambique. Eles vieram (porque os trabalhadores da Bulgária e da Itália combatem como nós a exploração, consideram-nos como uma das frentes da sua luta.

A nossa responsabilidade é grande, o nosso combate não é só para libertar o nosso Povo, ele é também para apoiar os povos irmãos, a classe trabalhadora no mundo inteiro.

Na nossa missão, unidos sob a direcção da FRELIMO e guiados pela nossa ideologia, apliquemos a palavra de ordem de servir o Povo na nossa tarefa sanitária.

Agindo assim, cumpriremos o nosso dever nacional e internacional.


A Luta Continua

Independência ou Morte

Venceremos!

Kassan 03/11/2011





A liberdade é NOSSA!

Temos que amargar ainda a persistência desses indivíduos. São uma peste que molesta o nosso povo a séculos.

Não se limitam em viver em suas comunidades dirigindo suas próprias vidas, eles têm ódio por essência e por isso tem que ficar intervindo em nossas comunidades. Não suportam e nem aceitam que possamos ter nossos direitos a liberdade de sermos iguais e felizes. Incomodam-se com nosso orgulho. Irritam-se com as nossas verdades filosóficas. Atacam nossa cultura e memória. Edificam suas riquezas sobre nossa exploração. Não querem que lutemos por isso eles matam nossos líderes.

Então irmãos o que podemos fazer?

Nosso compromisso deve ser conosco mesmo. Nossa atenção deve estar direcionada de forma a elevar as condições de bem estar de nossa coletividade. Em tempos em que a peste avança de forma selvagem, nossa posição deve ser de união para enfrentarmos nossos inimigos. Quando a maioria se der conta de que nossa liberdade não pode ser negada, apagada ou rasurada será possível marcharmos para nossa grande luta de emancipação com passos firmes.















Kassan 30/11/2011






Dia de Luta!

A consciência deve ser constantemente aprimorada. A plenitude de uma consciência cultural, social, política e por completa revolucionária.

General Zumbi!

Nessa presente data nós e instruído pelas lições da história o realização do reconhecimento. Não podemos nos abster de digna data. E jamais extrair de nossos corações o valoroso significado desse homem-líder-guerreiro. Dediquemos honra ao nosso Comandante-máximo.

Foi o general de nosso exército de libertação. A bandeira Palmarina tremula hasteada. Como lampião a iluminar o caminho dos novos soldados que se engajam na luta pela liberdade. Não podemos esquecer-nos deste homem e tão miseravelmente limitar a somente um dia do ano homenagens a seu feito.

Ancestralidade combateu no Quilombo de Palmares! E assim combateremos, pois herdamos não somente o sangue mais a alma lutadora. Promessas de ''integração'' sopram como palavras vazias que nunca iram se concluir em emancipação. Quilombismo e o princípio ideológico que deve nos nortear.







Segue a consciência para a luta!

Enganam-se aqueles que acreditam que o tráfico de escravos apenas transportou corpos para da África para a América. Junto a esses corpos vieram o espírito de luta. A bravura excedente. A inquieta vontade de ser livre. O mesmo ferro quente que marcou, castigou será forjado para construir as armas que destruição a classe de inimigos.

Já não e mais questão de direito e sim de dever a comunidade negra se insurgir contra a estrutura de poder racista. A semicolônia Brasil detém dentro de suas fronteiras o maior contingente afro-diásporico. Milhões de pessoas mantida em regime de pobreza é discriminação mais que possuem uma vasta potencialidade de lutar, transformar e revolucionar. Quando estiver ciente de seus objetivos, organizado por uma plataforma e sobre tudo armado com a teoria e práxis não haverá como a reação racista deter o avanço do Povo Negro.

"Isso já é história morta'' cantam, gritam, uivam em uníssono os racistas reacionários quando se referem a Quilombo dos Palmares. Idiotas são todos que desejam sepultar a história negra. Atemorizam em suas mentes, pois sabem a alienação for rompida, haverá uma força de libertação negra marchando pelas ruas conquistando o território e dando vida a Nação Quilombola.

O futuro é glorioso, embora o caminho seja sinuoso!

Por que o Povo Negro é oprimido?

Em que se consiste essa opressão?

E como podemos nós libertar dessa opressão?

Questionamentos mais do que necessários a serem sanados.

- Nós negros constituímos na raça mais massacrada da história da humanidade. O homem branco guiado pelas crenças que lhe atesta supremacia não sentem nem um terço de remorso sobre o sofrimento da raça negra do que sente em relação ao esmagamento de qualquer outra raça da terra. Não que seja o caso de medições de dores e mortes, mas o holocausto africano supera em números e brutalidade a morte o genocídio judaico. Se o Povo Judeu tem as chagas de Auschwitz-Birkenau a África lamúria centenas de genocídios perpetrados pelas mãos européias.

- Nós negros temos que lutar tanto para termos garantidos os diretos mais básicos. Nada foi concedido por graça ou benevolência. Tudo sempre foi arrancado sobre a força da luta. Muitos se sacrificaram por não aceitarem não serem tratados de forma digna. Mesmo com a civilização apresentando recordes e mais recordes no aumento do nível de produção, tendo conseguido contínuo padrão de desenvolvimento científico-tecnológico, por que ainda as pessoas são tratadas em diferenciação? Pois há o entrave que jamais permitirá que todos possam estar lado á lado compartilhando como iguais tudo que é preciso a uma boa vida. Esse entrave é o RACISMO! Essa trava serve como coluna central de sustento dessa estrutura. Os brancos do passado assim como do presente não acenam com sinceras aceitações de igualdade. Querem arrastar esse mundo que os beneficia sobre todas as formas.

- Pela REVOLUÇÃO. Mas isso não e algo simples da qual possa ser feito somente com o uso de palavras bem intencionadas. Não existe revolução pacífica. Entre se almejar esse objetivo e reunir condições efetivas, para torná-la realidade a um percurso muito árduo. Sem espaço para encenações. Acima de tudo e preciso estabelecer a unidade. Sem que aja unidade não tem como transpor limites, quebrar obstáculos. O que se alega ser como paz atualmente nada mais é do que uma harmonização que atende aos interesses dos controladores do poder. E preciso formar quadros militantes aptos a agirem em todo tipo de condições. Que estejam capazes de lutarem por qualquer meio necessário. Sendo isso o concentrado de nossa filosofia libertação por ''qualquer meio necessário''.

Camaradas-Irmãos(a) nesse 20 de Novembro de 2011 a missão já esta definida. Vamos juntar nossas mãos, corações e mentes é espíritos para lutarmos para darmos continuação a Revolução Palmarina e finalizá-la de maneira triunfante.




Kassan 20/11/2011