Segunda Guerra Etíope-Italiana

Em 03 de outubro de 1935 a Etiópia um país independente na época é invadida pelas tropas da Itália fascista liderada por Benito Mussolini.
Um fato motivava a agressão militar dos imperialistas europeus, os italianos estavam sedentos por vingança por terem sido fulminantemente derrotados na Batalha de Adwa ocorrida em 1 de Março de 1896, quando o exército etíope sobre o comando do imperador Menelik II, lutou bravamente é interrompeu as pretensões dos invasores brancos que queria colonizar o território da nação africana, a vitória garantiu a independência da Etiópia.

Os italianos nunca esqueceram a humilhação e com a chefatura de Mussolini, investiram novamente sobre solo etíope. Essa incursão foi caracterizada por uma brutalidade extrema. As forças italianas recorreram ao uso indiscriminado de ataques de armas químicas sobre população civil desarmada, fuzilamentos, enforcamentos. Não pouparam em usar de total terrorismo.

Como reação a criminosa invasão o imperador Haile Selassie tentou reunir apoio internacional para impedir que seu povo e país fossem barbarizados, perante os representantes da Liga das Nações (antecessora da ONU) proferiu um brilhante discurso contra o belicismo, chauvinismo, racismo, apesar de todos seus esforços seus apelos não foram ouvidos. A Itália continuou a seguir com seus terríveis planos, dizimando milhares de vidas africanas.

O Povo Etíope que nunca negou sua linhagem valente, logo se colocou em posição de resistência para expulsar as hordas colonialistas. Foram tempos marcados por dor, sofrimento, mas também de uma brava resistência que mesmo com dificuldades nunca cessou o desejo a liberdade. Em 1941 após muito sangue vertido, os italianos saíram em debandada da Etiópia.





Kassan 03/10/2014

Um comentário:

MARIA CLAUDINA LOURENÇO disse...

ÓTIMA MATÉRIA, MUITO BEM REDIGIDA E MUITO INFORMATIVA. PARABÉNS!!!]